Charge de Latuff sobre mudança de nome da Praça Médici

De Médici a Marighella: do ditador ao guerrilheiro

Exposição sobre a Marighella em colégio que homenageava Médici. Foto: G1 (Arquivo pessoal de Rodrigo Mantoan)
Exposição sobre a Marighella em colégio que homenageava Médici. Foto: G1 (Arquivo pessoal de Rodrigo Mantoan)

O mês de dezembro teve início com uma mudança local e sem grande repercussão, mas com sua importância histórica. No bairro do Stiep, em Salvador, uma escola pública tem seu nome modificado. De uma homenagem ao ex-presidente e ditador brasileiro Emílio Garrastazu Médici, passou-se à consagração de Carlos Marighella, militante e guerrilheiro na época do Regime Militar. O baiano é um dos principais símbolos da resistência ao Regime e morreu meses depois de Médici assumir a presidência do Brasil.

O antigo Colégio Estadual Emílio Garrastazu Médici se chama agora Colégio Estadual Carlos Marighella, após estudantes (!) promoverem a exposição A vida em preto e branco: Carlos Marighella e a ditadura militar na escola, que ainda possuía o nome do ditador. A Secretaria de Educação alterou o homenageado depois da campanha liderada pelos alunos e pelo professor Sidney Nunes.

A mudança de símbolos memorialísticos não é um fenômeno novo ou próprio de nosso país, talvez, o fato de maior representatividade seja a derrubada (e até reerguida) das estátuas dedicadas a Stalin. Essas alterações acontecem em várias instâncias, desde bandeiras, hinos, estátuas até datas comemorativas e homenagens de diversas ordens, como nomes de escolas, praças, ruas, bairros.

Charge de Latuff sobre mudança de nome da Praça Médici
Charge de Latuff sobre mudança de nome da Praça Médici

No Brasil, presenciamos uma época de retomada das histórias silenciadas e esquecidas até através de iniciativas governamentais, como a Comissão Nacional da Verdade. Em âmbitos não estatais, observamos (cada vez mais) uma produção midiática favorável dedicada aos militantes de oposição ao Regime. Em cada época, na verdade, escolhemos sobre o que e como recordar, e a ênfase dada a esses processos de lembrança/esquecimento revela a atual conjuntura da sociedade. A memória não é um processo de conciliação, mas de constantes guerras, embates e tensionamentos.

Livros sobre Marighella:

1. Frei Betto. Batismo de sangue: guerrilha e morte de Carlos Marighella (1983).
2. Cristiane e Jorge Nóvoa. Carlos Marighella: o homem por trás do mito (1999).
3. Emiliano José. Carlos Marighella – o inimigo número um da Ditadura Militar (2004).
4. Edson Silva Junior. Carlos, a face oculta de Marighella (2009).
5. Claudinei Rezende. Suicídio revolucionário: a luta armada e a herança da quimérica revolução em etapas (2010).
6. Aliel Paione. A morte de Carlos Marighella (2012).
7. Mário Magalhães. Marighella: o guerrilheiro que incendiou o mundo (2012).

Filmes sobre Marighella:

1. Marighella, retrato falado do guerrilheiro (2001), um documentário dirigido por Silvio Tendler.
2. É preciso não ter medo, relatos de Carlos Marighella (2005), um documentário dirigido por Silvia Melo e Tayra Vasconcelos.
3. Batismo de sangue (2006), um filme dirigido por Helvécio Ratton e baseado no livro homônimo de Frei Betto.
4. Marighella (2012), um documentário dirigido por Isa Grinspum Ferraz, sobrinha do militante.

Fontes: G1Metrópole

3 thoughts on “De Médici a Marighella: do ditador ao guerrilheiro

  1. O Filme de Carlos Pronzato Carlos Marighella quem samba fica, quem não samba vai embora. Se quiser assistir eu tenho ele. Pronzato esteve no CineFacom apresentando o filme A Rebelião dos Pinguins e na ocasião adquiri esse de mariguella. Abraços

Comente!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s